Livro – Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras

Livro – Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras...

É com prazer que anunciamos o lançamento da 1ª Edição da Satsang Editora do livro: Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras.   Nesta obra, Arthur Osborne conseguiu apresentar de forma sintética os ensinamentos essenciais  de Maharshi, através de um processo de seleção a partir de seus diálogos e trabalhos escritos.  O conteúdo foi classificado em diversos assuntos, e preenche o propósito de ser um compêndio  curto e confiável dos ensinamentos  de Bhagavan – que nos primeiros anos estavam disponíveis  apenas na forma de diários.  As notas do autor são de grande valor. Informações e vendas na Loja Virtual da editora: http://www.satsangeditora.com.br Título original em inglês: The Teachings of Ramana Maharshi in His Own Words. 1ª Edição – 2016. Autor: Arthur Osborne. Tradução: Niraj (Giovanni Dienstmann). Tamanho: 14 x 21 cm. Idioma: Português. Páginas: 256. ISBN: 978-85-92598-06-8...
A Irrealidade do Mundo

A Irrealidade do Mundo

A Irrealidade do Mundo (trechos do Capítulo III – The Jnani and The World, do livro Maharshi’s Gospel – The Teachings of Sri Ramana Maharshi )   Ao ver o mundo, o jnani (iluminado) vê o Ser que é o substrato de tudo que é visto; o ajani (não-iluminado) é ignorante de seu verdadeiro Ser. Tome como exemplo os filmes numa tela de cinema. O que está diante de você antes do filme começar? Simplesmente a tela. Sobre essa tela você vê o filme inteiro, e para todos os efeitos as imagens parecem bem reais. Mas tente pegá-las. O que você pega? Unicamente a tela sobre a qual as imagens apareciam como reais. Ao final do filme, quando as imagens desaparecem, o que permanece? A tela novamente! Assim acontece com o Ser. Somente Ele existe; as imagens vêm e vão. Se você agarrar-se ao Ser, não será enganado pelo aparecimento das imagens. E nem tem nenhuma importância se as imagens aparecem ou desaparecem. Ignorando o Ser, o ajnani pensa que o mundo é real, da mesma forma que ao ignorar a tela de cinema ele vê unicamente as imagens, como se elas existissem separadas dela. Se percebermos que sem aquele que vê não há nada a ser visto, assim como não há imagens sem a tela de cinema, não seremos iludidos. O jnani sabe que a tela, as imagens e a visão deles são apenas o Ser. Com as imagens, o Ser está em sua forma manifesta; sem as imagens Ele permanece na forma não manifesta. Para o jnani é totalmente irrelevante se o Ser está em uma forma ou outra. Ele é sempre o Ser. P.: A princípio é fácil aceitar que o mundo não é real, mas...
Como estabelecer-se no Ser

Como estabelecer-se no Ser...

Como estabelecer-se no Ser    (trecho do Capítulo IV do livro “Os Ensinamentos Finais de Annamalai Swami, de David Godman”)     Trecho do livro “Os Ensinamentos Finais de Annamalai Swami, de David Godman”, cuja nova tradução em português foi publicada em setembro de 2014. Detalhes sobre a nova edição podem ser encontrados aqui.   Pergunta: Eu venho seguindo os ensinamentos do Bhagavan há muitos anos, mas sem quaisquer benefícios aparentes. Eu não sinto paz alguma. O que é que estou fazendo de errado? Por que não obtenho resultados? Annamalai Swami: A autoinquirição deve ser feita continuamente. Ela não funciona se você a considerar como uma atividade de meio período. Você pode estar fazendo alguma coisa que não prende seu interesse ou sua atenção, então pensa: “Ao invés disso vou praticar um pouco de autoinquirição”. Isso nunca vai funcionar. Você pode dar dois passos adiante quando pratica, mas dará cinco passos para trás quando terminar a prática e retornar às suas ocupações mundanas. É necessário um comprometimento de toda uma vida para estabelecer-se no Ser. Sua determinação em ter êxito deve ser firme e forte, e deveria se manifestar na forma de esforços contínuos, e não esparsos. Você tem estado mergulhado na ignorância por muitas vidas, e está acostumado com isso. Todas as suas crenças profundamente enraizadas, todos os seus padrões de comportamento reforçam a ignorância e fortalecem o poder que ela exerce sobre você. Essa ignorância é tão arraigada, que está fortemente enredada em todas as suas estruturas psicológicas, que é necessário um esforço sólido por um longo período para livrar-se dela. Os hábitos e crenças que a sustentam têm que ser desafiados repetidamente. A ignorância é a ignorância do Ser, e para removê-la é necessário Autoconsciência. Quando você alcança a consciência do...
Maya – causa, natureza e efeito

Maya – causa, natureza e efeito...

Maya – causa, natureza e efeito (trecho do livro Advaita Bodha Deepika)     D: Mestre, diz-se que a Ignorância não tem começo; conclui-se que não terá fim. Como pode ser banida a Ignorância que não tem princípio? Sendo o oceano da misericórdia, diga-me isto, por favor. M: Sim, meu filho; você é inteligente e consegue entender coisas sutis. Você falou certo. Verdadeiramente, a Ignorância não tem começo, mas tem um fim. Diz-se que o surgir da Sabedoria é o fim da Ignorância. Assim como a aurora bane a escuridão da noite, também a luz do Conhecimento bane a escuridão da Ignorância. Para evitar confusão, no mundo tudo pode ser considerado analisando suas características individuais sob as seguintes categorias: causa, natureza, efeito, limite e fruto. A Realidade transcendental, sendo não dual, está além de tudo isso; mas todo o resto, de Maya em diante, sendo erroneamente visto Nela, está sujeito à análise acima. Destes, Maya não tem causa antecedente porque não é produto de nada que a preceda; por outro lado, permanece em Brahman, autoevidente e sem início. Antes da criação não poderia haver qualquer causa para sua manifestação e, no entanto, ela se manifesta e tem de ser por si mesma. D: Existe alguma autoridade por trás desta afirmação? M: Sim, palavras de Vasishta. Ele diz: “Assim como as bolhas surgem espontaneamente na água, também o poder de manifestar nomes e formas surgiu do Ser transcendental, onipotente e perfeito”. D: Mas Maya tem de ter uma causa. Assim como o barro não pode se tornar um jarro sem a ação do oleiro, também o Poder que permanece o tempo todo não manifesto em Brahman só pode manifestar-se pela vontade de Deus (Ishwara). M: Na dissolução, permanece apenas o...
Sobre o estado da Realização ou Samadhi

Sobre o estado da Realização ou Samadhi...

Sobre o estado da Realização ou Samadhi (trecho do Capítulo Sete do livro “Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em Suas Próprias Palavras)     [Os comentários em itálico são de Arthur Osborne, devoto de Ramana e autor do livro, que sintetizou os ensinamentos essenciais do Maharshi a partir de diálogos e textos escritos]  D.: Pode um homem que alcançou a Realização andar, agir e falar? B.: Por que não? Você acha que a Realização significa ser inerte como uma pedra, ou se tornar um nada? D.: Eu não sei, mas dizem que o estado mais elevado é o abandono de toda atividade dos sentidos, bem como dos pensamentos e experiências; na verdade: cessação de toda atividade. B.: Então como se diferenciaria do sono profundo? Além disso, se assim fosse seria um estado que, por mais elevado que fosse, seria impermanente e instável, não sendo assim o estado normal e natural – então, como isso poderia representar a presença eterna do Eu Supremo, que persiste através de todos os estados e os sobrevive? É verdade que existe tal estado, e que para algumas pessoas é necessário passar por ele. Pode ser uma fase temporária na sua busca ou pode continuar até o fim de sua vida, se assim for a vontade Divina ou seu destino mas, de qualquer forma, você não pode dizer que é o estado mais elevado. Se fosse, você teria que admitir que não só os Sábios, mas mesmo Deus não teria alcançado o estado mais elevado, pois não apenas os Sábios Realizados são muito ativos como também o Deus Pessoal (Isvara) o é, já que Ele governa o mundo e dirige suas atividades. D.: O que é samadhi? B.: No yoga o termo é usado para...
Página 1 de 3123
Virtual Media Design