Livro – Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras

Livro – Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras...

É com prazer que anunciamos o lançamento da 1ª Edição da Satsang Editora do livro: Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em suas Próprias Palavras.   Nesta obra, Arthur Osborne conseguiu apresentar de forma sintética os ensinamentos essenciais  de Maharshi, através de um processo de seleção a partir de seus diálogos e trabalhos escritos.  O conteúdo foi classificado em diversos assuntos, e preenche o propósito de ser um compêndio  curto e confiável dos ensinamentos  de Bhagavan – que nos primeiros anos estavam disponíveis  apenas na forma de diários.  As notas do autor são de grande valor. Informações e vendas na Loja Virtual da editora: http://www.satsangeditora.com.br Título original em inglês: The Teachings of Ramana Maharshi in His Own Words. 1ª Edição – 2016. Autor: Arthur Osborne. Tradução: Niraj (Giovanni Dienstmann). Tamanho: 14 x 21 cm. Idioma: Português. Páginas: 256. ISBN: 978-85-92598-06-8...
A Vida no Mundo

A Vida no Mundo

A Vida no Mundo (trechos do Capítulo Três do livro “Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em Suas Próprias Palavras, de Arthur Osborne) Satsang Editora      [Os comentários em itálico são de Arthur Osborne, devoto de Ramana e autor do livro, que sintetizou os ensinamentos essenciais do Maharshi a partir de diálogos e textos escritos] Uma vez que alguém decida começar a praticar os ensinamentos de Bhagavan, uma pergunta que pode surgir é como isso irá afetar a sua vida no mundo. O Hinduísmo não necessariamente prescreve uma renúncia física como condição para uma vida espiritual ativa, tal como prescrevia o ensinamento original de Cristo e do Buda. Pelo contrário, a condição da família é honrada e o caminho da ação correta é visto como legítimo. No entanto, a doutrina da não-dualidade, junto com o caminho da autoinquirição, que nela se baseia, era tradicionalmente reconhecido como adequado apenas àqueles que renunciavam à vida no mundo. Então é natural que os seguidores de Bhagavan lhe perguntassem se eles deviam renunciar ao mundo. Isso também era uma indicação notável da força da determinação espiritual que ainda existe na Índia moderna, pois renunciar ao mundo não significava viver uma vida solitária em uma casinha num sítio isolado, como pode parecer no Ocidente, e nem se retirar para a segurança austera de um mosteiro, mas viver sem casa e sem dinheiro, dependendo da caridade alheia para ganhar comida e roupas, dormindo em cavernas, templos, ou onde fosse possível. Apesar de tudo isso havia pedidos constantes de pessoas que desejavam tomar esse modo de vida, mas o Bhagavan sempre negava permissão. O trabalho era interno e deveria ser feito na mente, independente das condições exteriores de vida. B.: Por que você se considera uma...
Somos felizes?

Somos felizes?

Somos felizes? (trecho do Capítulo II do livro “Maha Yoga”, recém publicado)     Nenhuma das religiões e filosofias do mundo pode fazer por nós o que podemos fazer por nós mesmos, se pararmos para refletir; pois o que delas obtemos não passa de congestão mental – simples modismos de pensamento e de linguagem, que não se coadunam com o que realmente somos. Somente o que descobrimos por nós mesmos, por nossa própria experiência, pode nos ser de real valor. Além disso, nada poderemos encontrar de real valor, nem mesmo através de nossa própria experiência, se não pararmos e refletirmos. Se essas religiões e filosofias apenas abreviarem a chegada do dia em que paramos e pensamos, já terão feito bastante por nós. O que nos impede de parar e pensar é a crença de que estamos conseguindo da vida – ou de que logo conseguiremos – aquilo que queremos: a felicidade. O que pode provavelmente abalar essa crença é a experiência do lado trágico da vida. Diz-nos o Sábio de Arunachala [Sri Ramana Maharshi] que este é o meio usado pela Natureza, e nos dá a analogia dos sonhos como prova. Quando sonhamos com coisas agradáveis não despertamos; mas acordamos tão logo apareçam visões desagradáveis. Uma vida de tranquilo deleite é, naturalmente, contrária à reflexão profunda sobre assuntos sérios; e, sob esse aspecto, pessoas religiosas não são melhores do que nós. Suponhamos que achemos a vida frustrante – senão totalmente intolerável – e que assim a achamos, quer por nossa própria conta, quer como representantes da humanidade. Seria bom que fizéssemos essa suposição, pois essas investigações destinam-se apenas aos que partem desta premissa. Na verdade, a maioria de nós já considerou a vida assim, e não uma só vez,...
“Maha Yoga” agora disponível em português!

“Maha Yoga” agora disponível em português!...

  “Maha Yoga” publicado em português     Clique no cartaz para ampliar   O livro Maha Yoga – que considero uma das melhores apresentações e comentário aos ensinamentos do grande sábio Sri Ramana Maharshi – está finalmente disponível para os leitores da língua portuguesa. O livro já havia sido traduzido há quatro anos atrás, mas todas as tentativas de publicação no Brasil falharam. Em meados do ano passado, contudo, uma alma generosa (que deseja permanecer anônima) entrou em contato conosco por meio deste site, e ofereceu  patrocinar a publicação do livro. É devido a este espírito de doação, portanto, que minha tradução ganha vida e o livro chega ao público. Devo também agradecimentos a A.L.F e ao Ensho (Ricardo Pereira), pela ajuda na revisão do texto. Ricardo também contribuiu na revisão dos outros quatro livros de Advaita que eu traduzi e já foram publicados (Os Ensinamentos de Sri Ramana Maharshi, Antes do Eu Sou, Pérolas de Sabedoria, Advaita Bodha Deepika), embora seu nome não tenha constado na nota do tradutor dessas obras, por falha minha. Para ter um “gostinho” da obra, veja os nossos cinco posts com trechos de ensinamentos retirados do Capítulo XII do livro (Parte I, II, III, IV e V). Outros capítulos do livro falam sobre a natureza da alma e de Deus, a busca espiritual, verdadeira felicidade, ilusão e realidade, iluminação, autoinquirição e devoção. Valor: R$ 25,00 Descrição:Esta profunda exposição dos ensinamentos de Sri Ramana Maharshi é o resultado de uma associação íntima com o Sábio por mais de vinte anos. O autor passou dois ou três anos traduzindo do idioma tâmil para o sânscrito algumas obras de Maharshi, e durante este período, ele recebeu de Bhagavan instruções longas e pertinentes sobre todos os...
Sobre o estado da Realização ou Samadhi

Sobre o estado da Realização ou Samadhi...

Sobre o estado da Realização ou Samadhi (trecho do Capítulo Sete do livro “Os Ensinamentos de Ramana Maharshi em Suas Próprias Palavras)     [Os comentários em itálico são de Arthur Osborne, devoto de Ramana e autor do livro, que sintetizou os ensinamentos essenciais do Maharshi a partir de diálogos e textos escritos]  D.: Pode um homem que alcançou a Realização andar, agir e falar? B.: Por que não? Você acha que a Realização significa ser inerte como uma pedra, ou se tornar um nada? D.: Eu não sei, mas dizem que o estado mais elevado é o abandono de toda atividade dos sentidos, bem como dos pensamentos e experiências; na verdade: cessação de toda atividade. B.: Então como se diferenciaria do sono profundo? Além disso, se assim fosse seria um estado que, por mais elevado que fosse, seria impermanente e instável, não sendo assim o estado normal e natural – então, como isso poderia representar a presença eterna do Eu Supremo, que persiste através de todos os estados e os sobrevive? É verdade que existe tal estado, e que para algumas pessoas é necessário passar por ele. Pode ser uma fase temporária na sua busca ou pode continuar até o fim de sua vida, se assim for a vontade Divina ou seu destino mas, de qualquer forma, você não pode dizer que é o estado mais elevado. Se fosse, você teria que admitir que não só os Sábios, mas mesmo Deus não teria alcançado o estado mais elevado, pois não apenas os Sábios Realizados são muito ativos como também o Deus Pessoal (Isvara) o é, já que Ele governa o mundo e dirige suas atividades. D.: O que é samadhi? B.: No yoga o termo é usado para...
Página 1 de 1912345...10...Última »
Virtual Media Design