Trecho do Livro “Nada é Tudo” – Sri Nisargadatta Maharaj

Trecho do Livro “Nada é Tudo” – Sri Nisargadatta Maharaj...

ENCONTRE A FONTE DO “EU SOU” – 7 de dezembro de 1979 (Trecho do livro “Nada é Tudo – A Quintessência dos Ensinamentos de Sri Nisargadatta Maharaj”, publicado pela Satsang Editora – 2016) Visitante: Qual é a causa da ignorância? Maharaj: O conhecimento “você é” é o único conhecimento confiável. Mas o homem tem o hábito de coletar conhecimento de cada fonte e carregar o fardo na cabeça. Ele é informado sobre o nascimento e o renascimento. Embora o nascimento não seja sua própria experiência, ele a assume como verdadeira. O conhecimento humano é cheio de conceitos e de imaginação. V: E a lei do karma? Isto é, temos que sofrer na vida seguinte os efeitos do que fazemos nesta vida. M: Já que você se considera seu corpo, a lei do karma o afeta. Você até tenta se beneficiar dela. Quando você conhece seu Eu Real como tal, a lei não o afeta. V: A lei do karma nos assusta. M: Nosso senso de ser é a qualidade da quinta essência da comida e a forma do material alimentar é assumida por nós como nossa forma. A natureza Eterna não tem senso de ser. Quando o alento vital sai do corpo, este se torna inerte. É como uma chama que se extingue. Será que a chama vai para algum lugar? Quando o corpo cai, não vai a lugar nenhum. No suposto nascimento não há vinda de lugar nenhum. O Eu Real está em todo lugar. Ele não deixa nenhum espaço para viajar até lá. Quando falo, não falo de nenhum indivíduo específico. Falo da natureza da consciência. O ciclo de criação, sustentação e dissolução continua imperturbado. Nenhum mahatma ou encarnação como Ram ou Krishna podem parar o ciclo. Falo de encarnação. O que havia antes de chamar alguém de encarnado? O que levou a uma pessoa comum mudar para encarnada? Você nunca pensa no que era antes do...
O CONHECIMENTO DE QUE “VOCÊ É” CRIA SEU MUNDO por Sri Nisargadatta Maharaj

O CONHECIMENTO DE QUE “VOCÊ É” CRIA SEU MUNDO por Sri Nisargadatta Maharaj...

O CONHECIMENTO DE QUE “VOCÊ É” CRIA SEU MUNDO (Trecho do livro “Além da Liberdade: Palestras com Sri Nisargadatta Maharaj, publicado pela Satsang Editora)   Maharaj: Você lembra do que falamos hoje de manhã? Visitante: Sim, você está me levando ao ponto de percepção. M: Nem esta ideia, nem este conceito estão certos. Assim como a doçura do açúcar está bem ali, em cada grão, o conhecimento do estado “Eu Sou” em você contém o universo inteiro. Não estou explanando este conhecimento em benefício de um ser humano envolvido com a mente-corpo, ele está sendo explanado para o estado de Divindade dentro de você. V: Há comunicação em dois níveis? M: Quando você veio aqui pela primeira vez, estava envolvido com a mente-corpo e a palestra foi então naquele nível. Agora estou explanando em relação a seu estado de Ser, o estado “Eu Sou” que, tendo criado o universo, habita em você como um resquício. O próprio cerne do conhecimento “Você é” contém o universo inteiro. Como exemplo, no mundo onírico o conhecimento “Você é” tem que estar lá, antes que o mundo onírico seja criado. Da mesma forma, o conhecimento “Você é” tem que estar lá para este mundo seu. O conhecimento de que “Você é” cria seu mundo. V: Não entendo a tradução. É como se houvesse música na sala e eu fosse surdo e não conseguisse ouvir a música. M: O surdo não deveria escutar música (risadas). Você é como uma pessoa que continua procurando a si mesma em cada canto e recanto da sala. Você procura uma coisa que já está dentro de você. Não conseguirá encontrar a Verdade Suprema procurando lá fora. V: É como se você estivesse batendo na minha cabeça para me ajudar a lembrar....
A Consciência e o Absoluto

A Consciência e o Absoluto...

A Consciência e o Absoluto   (diálogos extraídos do livro “Consciousness and The Absolute – The Final Talks of Sri Nisargadatta Maharaj”, edited by Jean Dunn)     Visitante: Por que pensamos em nós mesmos como indivíduos separados? Maharaj: Seus pensamentos sobre individualidade não são, na realidade, seus próprios pensamentos; eles são todos pensamentos coletivos. Você acha que é você quem tem os pensamentos; na verdade os pensamentos surgem na consciência. À medida que cresce nosso conhecimento espiritual, nossa identificação com um corpo-mente diminui e nossa consciência se expande para a consciência universal. A força da vida continua a atuar, mas seus pensamentos e ações não ficam mais limitados a um indivíduo. Eles se tornam a manifestação total. É como a ação do vento – o vento não sopra para qualquer indivíduo em particular, mas para a manifestação como um todo. V.: Como um indivíduo, podemos retornar para a fonte? M.: Como um indivíduo não; o conhecimento “eu sou” deve voltar para sua própria fonte. Agora, a consciência está identificada com uma forma. Mais tarde ela compreende que não é essa forma e segue adiante. Em uns poucos casos ela pode alcançar o espaço e, com frequência, para por aí. Em muitos poucos casos, ela alcança sua fonte verdadeira, além de todo o condicionamento. É difícil abandonar essa tendência de identificar o corpo como o eu. Eu não estou falando para um indivíduo, estou falando para a consciência. É a consciência que deve buscar sua fonte. Do estado de não-ser surge o sentimento de existência. Ele surge tão silenciosamente quanto o crepúsculo, com apenas uma sensação de “eu sou” e, de repente, o espaço está lá. No espaço, o movimento começa com o ar, o fogo, a água e...
Permaneça com seu Ser – Parte IV

Permaneça com seu Ser – Parte IV...

Permaneça com seu Ser Parte IV Este é o quarto e último post da série Permaneça com seu Ser. Veja o primeiro, segundo e terceiro. ************************************************************************ Pergunta: Consigo rejeitar apenas verbalmente. No máximo lembro-me de repetir a fórmula: “Isto não sou eu, isto não é meu. Estou além de tudo isto.” Nisargadatta: É bom o bastante. Primeiro verbalmente, então mental e emocionalmente, e depois na ação. Dê atenção à realidade dentro de você e ela virá à tona. É como bater manteiga. Faça-o corretamente e constantemente e o resultado com certeza virá.   É mais fácil mudar que sofrer. Saia de sua infantilidade, isto é tudo.   Infantilidade é agarrar-se aos brinquedos, aos seus desejos e temores, opiniões e idéias. Desista de tudo isto e esteja pronto para que o real afirme a si mesmo. Esta autoafirmação é melhor expressa pelas palavras: “Eu Sou”.   Até agora você se considerou como sendo o mutável e ignorou o imutável. Vire sua mente ao avesso. Desconsidere o mutável e se verá como a sempre presente, imutável realidade, inexpressível mas sólida como uma rocha.   Você é consciente. Segure-se nisso.   O que eu digo é verdade, mas para você é apenas uma teoria. Como você saberá que isto é verdade? Ouça, lembre-se, pondere, visualize, experiencie. Também aplique na sua vida diária. Tenha paciência comigo e, acima de tudo, com você mesmo, pois você é seu único obstáculo.   Parece que você quer uma compreensão instantânea, e esquece que o instantâneo é sempre precedido por uma longa preparação. A fruta cai de repente, mas o amadurecimento leva tempo.   Afinal, o que estou lhe oferecendo é a abordagem operacional, tão comum na ciência ocidental. Quando um cientista descreve um experimento e seus resultados, normalmente você...
Permaneça com seu Ser – Parte III

Permaneça com seu Ser – Parte III...

Permaneça com seu Ser Parte III Este é o terceiro post da série Permaneça com seu Ser. Veja o primeiro e segundo. ************************************************************************ Não é a adoração de uma pessoa (guru) que é o crucial, mas a seriedade e profundidade de sua devoção à tarefa. Lembre-se, indague, pondere, viva-a,  ame-a, cresça nela, faça-a sua – a palavra de seu Guru, externo ou interno. Traga tudo para dentro e você conquistará tudo. Eu fazia isso. Todo o meu tempo era devotado ao meu Guru e ao que ele me disse. Quando você está interessado na verdade, na realidade, deve questionar tudo, mesmo a sua própria vida. Ter sempre seu Guru no coração e lembrar-se de suas instruções – isto é ser fiel à verdade. A ilusão de ser corpo-mente está aí apenas porque não é investigada. A não investigação é a fina linha sobre a qual todos os estados da mente são alinhavados. Todos os estados da mente, todos os nomes e formas da existência têm suas raízes na não inquirição, na não investigação, na imaginação e na credulidade. Quando estamos absorvidos em outras coisas, no não-Ser, esquecemos do Ser. Sadhana (prática) consiste em lembrar a si mesmo obrigatoriamente da própria pura existência, de não ser nada em particular, nem uma soma de particulares, nem mesmo a totalidade dos particulares que formam o universo. Apego é escravidão, desapego é liberdade. Necessitar é escravizar-se. Aquele estado imóvel, que não é afetado pelo nascimento e morte de um corpo ou de uma mente – aquele estado você deve perceber. Deixe de lado seus desejos e medos, dê sua total atenção ao sujeito, aquele que está por trás da experiência do desejo e do medo. Pergunte: Quem deseja? Deixa cada desejo levá-lo de volta a...
Permaneça com seu Ser – Parte II

Permaneça com seu Ser – Parte II...

Permaneça com seu Ser Parte II Este é o segundo post da série Permaneça com seu Ser. Veja o primeiro. ************************************************************************ Pergunta: Como se alcança isto? Nisargadatta: A ausência de desejo e de medo o levará lá. O Supremo é o mais fácil de se alcançar pois é o seu próprio ser. É suficiente não desejar nem pensar em nada que não o Supremo. É a falsidade que é difícil e que é fonte de problemas. Ela sempre quer, espera, exige. Sendo falsa, é vazia, sempre em busca de confirmação e reconfirmação. Tem medo da inquirição e a evita; identifica-se com qualquer apoio, por mais fraco e momentâneo que seja. O que quer que consiga, perde, e pede mais. Nisargadatta: Mesmo que eu lhe diga que você é a testemunha, o observador silencioso, isto não significará nada para você a menos que encontre o caminho para seu próprio ser. Pergunta: Minha pergunta é: Como encontrar o caminho para o próprio ser? Nisargadatta: Desista de todas as perguntas, exceto “Quem sou eu?” Pois, afinal, o único fato do qual você tem certeza é que você é. O “Eu sou” é certo. O “eu sou isto” não é. Esforce-se para encontrar o que você é na realidade. Lembrar-se de si mesmo é virtude, esquecer de si mesmo é pecado. O procedimento correto é aderir ao pensamento de que você é o campo de todo conhecimento, a Consciência imutável e perene de tudo o que acontece aos sentidos e à mente. A ideia “Eu sou apenas a testemunha” purificará o corpo e a mente e abrirá o olho da sabedoria. O homem vai além da ilusão e seu coração se liberta de todos os desejos. Por sua própria natureza, o prazer é limitado...
Página 1 de 212
Virtual Media Design