Maha Yoga – Parte V


A Maha Yoga de Sri Ramana

Parte V



Os trechos a seguir foram retirados do Capítulo XII do livro Maha Yoga, que já foi traduzido pelo Prof. Hermógenes e publicado no Brazil na década de 1950. Fizemos uma nova tradução do texto e há possibilidade de publicação neste ano (2011). Os trechos abaixo são provenientes da nova tradução. Em negrito são os subtítulos colocados pelo autor (K. Lakshmana Sarma) e, entre aspas (e em itálico), os ensinamentos do Maharshi. Esta é a parte final da série “A Maha Yoga de Sri Ramana”.


*************************************************************************

 

RESPOSTA A UM PRAGMATISTA: Pergunta: “Se todos os homens renunciarem o mundo, quem lavrará a terra e fará a colheita?” Resposta: “Realize o Ser Verdadeiro e então verá por si mesmo.” Essa é uma resposta geral para todas as questões semelhantes a esta.


SENSAÇÃO DE DIFICULDADE. Um método nos parecerá fácil ou difícil, conforme o tenhamos praticado antes ou não.


AOS NIVELADORES. “A forma mais segura de se atingir a perfeita igualdade é ir dormir!”[1]


CONTROLE DE NASCIMENTO VERSUS MORALIDADE. Pergunta: “O controle de nascimento é nocivo à moralidade?[2]” Resposta: “O Maha Bharata diz que quanto mais se cede ao desejo, mais insaciável ele se tornará.


SOBRE PROGREDIR OU RETROCEDER. Alguns observaram que é fácil ir para frente, mas impossível retroceder. O Sábio diz: “Não importa quão longe vamos, estamos sempre onde sempre estamos. Onde está o ir para frente ou ir para trás? O Isa Upanishad (verso 5) diz: ‘Ele está longe e também está perto’.”


UTILIZAÇÃO DE PODER DIVINO PARA CURAR DOENÇAS, ETC.Não há necessidade de ‘ingerir’ poder divino para qualquer finalidade. Já está dentro de você. Ele é você.


COMPARAÇÃO ENTRE A VIGÍLIA E O SONHO.O mundo dos sonhos interessa ao sonhador porque ele julga que é uma realidade objetiva, fora de si mesmo e diferente de si. O homem desperto se interessa pelo seu mundo de vigília pela mesma razão. Se, pela experiência do Eu Real, ele chegar a saber que o mundo não passa de uma formação mental, deixara de interessar-se por ele.


EXISTE O MUNDO? Há uma diferença entre a declaração de que o mundo existe e a declaração de que ele é real”, afirma o Sábio. A segunda declaração não contradiz a afirmação aparentemente contrária, de que o mundo é irreal, enquanto que a primeira o faz. O homem completamente ignorante confunde a Substância – a Realidade que sustenta a aparência do mundo – e a aparência, e toma essa mistura como sendo real. Os discípulos do Sábio sabem que têm de separar a aparência da Substância, e compreender que apenas a Substância é real, e o resto é ilusão.


NOMES DE DEUS. Assim como você responde pelo seu nome, embora não houvesse nome algum escrito na sua testa ao nascer, da mesma forma Deus responde quando Seu nome é pronunciado pelo devoto, apesar de Ele realmente ser sem nome.”


RENÚNCIA AOS LAÇOS FAMILIARES:No sono você não estava consciente da sua família. E você é o mesmo ser agora. Mas agora você tem consciência da família, sente que ela o prende, e deseja renunciar os laços. Por acaso os membros da ‘sua’ família o prendem a eles, ou é você que se prende a eles? Basta que você renuncie ao pensamento ‘Esta é minha família’. Os pensamentos mudam, mas você não. Mantenha-se no Eu que não muda. Para isso, não precisa fazer com que a mente deixe de pensar. Simplesmente lembre-se apenas da Fonte dos pensamentos e seriamente se empenhe em encontrá-La.


AUTOENTREGA:Quanto mais nos entregamos, mais o nosso ambiente melhora e maior também é a nossa força para trabalhar.” Isso Bhagavan disse a alguém engajado em atividades de independência nacional [da Índia].

As escrituras têm valor apenas enquanto a pessoa não se volta para o interior, na Busca do Ser. Logo que isso é feito, tudo o que aprendeu é esquecido e perdido.


APODERAR-SE DO MUNDO.Sendo o mundo uma simples sombra do Ser, é impossível conhecê-lo corretamente ou apoderar-se dele. Uma criança tenta tocar a cabeça de sua própria sombra, mas não o consegue, porque quando se move a cabeça da sua sombra também se movimenta. A mãe, então, coloca a mão da criança na cabeça desta, assim lhe mostrando que a cabeça da sombra foi tocada. Igualmente, só poderemos nos apoderar do mundo ou conhecê-lo corretamente se mergulharmos no Ser.”


SOBRE SER FIRME E NÃO AFETADO POR NADA. Criticando o ponto de vista que diz “Sou como uma espuma no Oceano da Consciência”, Ramana Maharshi disse: “Tal pensamento é a raiz de todas as preocupações, devendo ser abandonado. O Ser é o Oceano; o mundo e as almas são as espumas nele. Se você souber disso e se lembrar disso constantemente, então será firme e estará isento de dúvidas e preocupações. Esta verdade é confirmada quando se mergulha no Coração através da Busca [Quem sou eu?]. Mas, mesmo sem esse mergulho, somos Aquilo e nada mais do que Aquilo. As ideias de interior e exterior só podem surgir enquanto o ver correto não for aceito e a ele não aderirmos. Diz-se ao amante da Libertação que mergulhe no seu interior, porque ele confunde a alma individual, que não existe, com o Ser, que é infinito e inclui tudo que se vê. Aquele que compreende isso não desejará nada, mas estará sempre satisfeito. Mesmo antes que se mergulhe dentro de si, o Ser É experienciado. Ninguém pede negar que existe; aquela Existência é a Consciência do Ser. Você não pode fazer perguntas a menos que exista. Portanto, você tem consciência de si mesmo. O fruto de seus esforços para alcançar a Verdade do Ser é exatamente livrar-se dos seus erros atuais. Não haverá uma ‘Realização’ nova.”


O SER É LUZ.Para se conhecer um objeto é preciso uma luz comum que vença a escuridão. Para se conhecer o Ser é preciso uma Luz que ilumine tanto a luz quanto a escuridão, mas que em si não é nem luz nem escuridão. Chama-se isto de Luz porque por Seu intermédio é que a claridade e a escuridão são conhecidas. Esta Luz é o próprio Ser, a Consciência Infinita, da qual ninguém está inconsciente. Ninguém é um Ajnani, um não-conhecedor do Ser; mas como não sabem disso, os homens desejam se tornar um Jnani [Iluminado].

 


[1] Essa frase enigmática aparece na versão original do livro, sem que se tenha conseguido compreender sua inserção. Possivelmente ela faz sentido em certo contexto, como resposta (possivelmente brincalhona) do Bhagavan a alguma pergunta incomum. Tal contexto, contudo, não foi apresentado pelo autor “WHO”. De qualquer forma, está relacionada ao ensinamento geral do Maharshi de que no estado de sono, quando não há mente, não há quaisquer diferenças. [N.T.]

[2] Essa pergunta deve ser compreendida dentro do contexto dos ideais morais e espirituais da religião indiana, entre os quais se encontram a moderação e, mais elevadamente, o abandono dos desejos [nirasa, vairagya]. Ou seja, por trás dessa pergunta há possivelmente a presunção de que o “controle da natalidade” (questão social relevante na Índia) – ou seja, a utilização de métodos anticoncepcionais – pode ser uma forma de contornar uma “fraqueza moral”, qual seja, a falta de comedimento nas relações sexuais. Bhagavan em sua resposta parece reforçar o ideal espiritual da necessidade de ir além dos desejos, o que pode ser interpretado como uma confirmação de que se tal verdade for compreendida e vivida, não haverá necessidade de controle de natalidade. [N.T.]


Related Posts with Thumbnails
  • Olá,

    Você consideraria o Eckhart Tolle como um “iluminado”? Gostei bastante dos dois livros dele que eu li!!! E o controvertido Osho? É apenas um impostor inteligente?

    Grande abraço!
    Marcelo

  • Oi Marcelo,

    São questões bastante pessoais. Se quiser me perguntar por email: omniraj@gmail.com

  • Celio

    Niraj
    Gostaria que me enviasse a resposta dada ao Marcelo, sobre o Eckhart Tolle e o Osho.
    Desde ja, agradeco a sua atencao.
    Celio

    • Mandei um email para ti com minha opinião.

  • Euler

    Prezado Niraj,

    Gostaria, por gentileza de receber a mesma resposta dada ao Marcelo e ao Célio.

    Forte abraço
    Euler