Novo livro do Ramana em português!

Novo livro do Ramana em português!...

Lançamento de um novo livro do Bhagavan: Pérolas de Sabedoria – Vida e Ensinamentos de Sri Ramana Maharshi É com grande satisfação que anunciamos o lançamento de um novo livro do Maharshi em português. Editado pela Editora Teosófica, o livro contém 164 páginas e o preço de capa será R$ 25,00. O livro já se encontra disponível para compra e pode ser adquirido diretamente no site da Editora. A obra é composta da tradução de três pequenos livros do Ramana: Pérolas de Sabedoria (Gems of Bhagavan): seleção de ensinamentos do Ramana dividido tematicamente em treze capítulos. Bhagavan Ramana: biografia do mestre feita pelo devoto indiano e Professor Doutor T.P.M Mahadevan Quem sou eu? (Who am I?): conjunto de 28 perguntas e respostas que, pode-se dizer, contém os ensinamentos essenciais do Maharshi. Trata-se de um diálogo ocorrido com Sri Sivaprakasam Pillai em Tiruvannamalai, por volta do ano 1902, época em que Sri Ramana ainda não falava, tendo respondido as perguntas por escrito. Expõe a prática da autoinquirição (atma vichara), sua visão acerca da irrealidade do mundo, e conselhos práticos para a vida...
Vídeo-Satsang com Mooji em Recife (2)

Vídeo-Satsang com Mooji em Recife (2)...

[Transcrição do texto para facilitar a leitura:] A barriga da mente nunca está cheia. Ele [Ramana] diz que, quando você tem um desejo, digamos que tenha um desejo por um objeto… E é um desejo forte, então existe um foco muito forte nisso. Mesmo quando você está falando sobre outras coisas, com outras pessoas, isso ainda está em algum lugar dentro de você. Uma parte de sua atenção está focada no objeto desejado. Algumas vezes até suas interações com outras pessoas são apenas uma forma de alcançar isso, porque você sente que quando obtiver isso sentirá uma felicidade tremenda. Mas enquanto você não tem, existe uma inquietude em você. Você nunca vê o presente, porque está dividido por dentro. E uma parte da sua atenção está com algo que deseja ter. Então você só está presente parcialmente. Ouça o que Ramana diz. Ele diz que não existe amor nisso. Não existe satisfação nisso. É apenas um objeto. Mas você imagina que terá um tremendo prazer obtendo este objeto. E o seu desejo de ter isso está na verdade lhe molestando. Um dia eu venho e lhe dou esse objeto. E, naquele momento: “ahhh”, você está em êxtase! Tanta alegria! Tanta plenitude! Mas isso não está lhe dando nada…. Ele diz que, na verdade, o que está acontecendo é que no momento que você recebe o objeto a sua agitação e inquietude param e você desfruta o estar livre dessa agitação. E isso você interpreta como o prazer vindo do objeto… O prazer vem de você. O apego vem de você. A paz vem de você. Nós podemos estar fazendo isso com muitas coisas no mundo. Imaginando que um certo estado, certo objeto, certo relacionamento irá nos preencher. Mesmo agora,...
Paz ou Pizza? (Mooji)

Paz ou Pizza? (Mooji)

Paz ou Pizza? (Mooji) Todos esses seres e os papéis que eles estão desempenhando, em cada momento, estão acontecendo pela vontade Divina. Você vai para qualquer cidade, qualquer vila, qualquer lugar… é preciso alguns papéis para manter uma vila existindo – como uma padaria, um sapateiro, um alfaiate, um padre, membros da família. E quem é que provoca essas ações? São apenas papéis que aparecem. Você nesse corpo sente uma urgência, uma atração de se mover em uma direção. Você tem o sentimento de que você tomou essa decisão, mas o anseio veio antes. Apenas quando ele veio para o campo da consciência, então algo diz “eu acho que vou fazer isso”. Antes de um pensamento ocorrer para você, você estava consciente dele? Você solicitou que certo pensamento viesse? Como um item “para levar”? Além disso, os pensamentos são aleatórios. Você está meditando… “Paz…” E então vem “pizza”! [risos] E depois disso, “ah, sim, eu tenho que enviar um email…” Eles são aleatórios. Mas assim que eles surgem, alguns pensamentos da mesma frequência se juntam e o processo de pensar começa. Na verdade é totalmente automático, mas por causa da identidade de que “isso sou eu”, alguns tipos de pensamentos se tornam sazonais – eles vão continuar voltando – porque eles ganham serviço de cinco estrelas. [risos] Esses são os pensamentos favoritos – e eu não digo “favoritos” porque você gosta deles, eles podem ser favoritos porque você os odeia. Mas eles têm alguma afinidade com a maneira que você atualmente pensa sobre você mesmo. E então um tipo de construção de identidade surge. Mas isso não é algo fixo, é como um auto-retrato constantemente em mutação. Porque ele surge no campo da mudança. E de alguma forma, aquilo...
Identifique-se com Aquilo (Papaji)

Identifique-se com Aquilo (Papaji)...

Identifique-se com Aquilo Papaji Identifique-se com a Consciência Cósmica durante a meditação. Você é Aquilo. Aqui não há diferença. A noção surgiu de que você é um indivíduo separado com uma suprema consciência mais elevada para alcançar, o que não é verdade. Uma onda se eleva do oceano e se sente separada da sua fonte, sentindo, portanto, que não é o oceano. Mas deixe que a onda realize sua autoinquirição, “Quem sou eu?” Deixe-a descobrir o lugar de onde ela surgiu. Ela chegará até sua fonte, ao próprio oceano. Sua noção de ser uma onda separada desaparece automaticamente. Um rio deságua no oceano e se torna um com este. Esta compreensão surge através da inquirição. Qual é a relação entre um anel e o ouro do qual é feito? Você pode separar o ouro do anel ou o anel do ouro? É impossível. Sem o anel, você não pode ver o ouro, e sem o ouro não pode ver o anel. Abandone o nome (anel), e a forma (redonda). O anel é nome e forma apenas; a substância é o ouro. Quando você remove nome e forma o que resta para ser separado? Se você sente uma separação entre o meditador e aquele no qual se medita, descubra sua verdadeira identidade e verá que você nunca esteve separado. Você sempre foi a própria Consciência. Através da Consciência você está meditando, através da Consciência está estabelecendo sua separação, e através da Consciência irá estabelecer sua unificação. Isso são noções. Remova a noção de que está limitado. Se esta separação – esta ideia – for removida, você descobrirá que você sempre foi o que é agora. Essas noções, idéias e intenções precisam ser instantaneamente descartadas, e você está aqui. É por...
Mente natural – Mooji

Mente natural – Mooji

Mente Natural (Mooji) É completamente natural para a mente e a atenção permanecerem no Vazio. Em certo momento se torna sem esforço. Mas o nosso condicionamento diz: “Ah, mas eu não sei se isso é bom”, “Manter a minha mente tem algumas vantagens…” Então há alguma confusão, algum medo, porque você está colocando ela no fogo do autoconhecimento, da autorrealização – e esse fogo não vai lhe queimar, ele só vai queimar o que você não é. Mas a mente está dizendo: “Não, eu quero salvar algumas coisas, posso manter isso?”. Mas estar nesse fogo é um estado em que você não está negociando. A vida não quer nada de você. Quando você dá tudo, é você que se beneficia. Eu não estou querendo dizer que essas coisas estão erradas, não tem nada de errado com elas. É apenas reconhecer os seus apegos. Você pode dar às costas aos apegos. Se isso for difícil demais eu mostrarei outro caminho: reconheça os apegos, e descubra quem realmente está apegado. Mas para isso você deve estar muito silencioso. Faça essa pergunta: “Quem está tão apegado?”, ou “Quem é tão perturbado?”. E fique muito silencioso, mas alerta. Não fique pensando. O que é que vai acontecer? Às vezes a mente vai ficar muito barulhenta. E muitas pessoas sentem “Ah não, isso é demais, eu vou parar”. Mas você deve ser diferente. Se a mente fizer barulho, você permaneça em silêncio. Não tente parar; não julgue. Não pense: “Ah não, isso não está funcionando, não vai acontecer”. Não diga nada – apenas permaneça em silêncio. Você está lá. Permaneça apenas como a Presença, o sentimento de Ser, EU SOU. Não crie nenhuma imagem sobre quem você é. Não se refira ao passado ou...
Virtual Media Design